O BEM E O MAL

O BEM E MAL


                Salve Deus!
                Considerando o registro bíblico na Gênesis, observaremos que o homem era puro em sua essência, também teoricamente o espirito em sua origem também era, e ao desgarrar-se de Deus, ou em sua partida inicial desse Todo ele era puro.
Nessa viagem praticamente atemporal nos mares existenciais, a cada porto ele provou, viveu novas experiências e então, nessa diversidade conheceu o que hoje denominamos de “mal”, dessa forma podemos concluir que só existia o “bem”.
Mas o que é bem, e o que é mal?
                Só existe o bem e mal no homem? Ou serão duas forças distintas, digladiando internamente e somos nós que as escolhemos como referência em nossas ações segundo o momento que vivemos nossas necessidades            que precisam ser atendidas e saciadas.
                Em nossa doutrina lidamos quotidianamente com a desobsessão, e essa atividade é nossa razão de existir enquanto médiuns ou profissionais do mediunismo.
Nossa herança cristã nos mostrou a relação desse bem e mal entre anjos e demônios os quais albergamos em nós e lutamos para oferecer mais espaço a esses “anjos” e erradicar completo os “demônios” que habitam em nós.
O Amanhecer em suas arquiteturas diferenciadas com seus cânticos, ritos e preces nos diz que somos seres em processo evolutivo constante, que somos assistidos por outros seres, cujo mal fora completamente deles e, portanto, são hoje partículas individualizadas de luz plena universal, sua estrutura celular é isenta de qualquer patologia, e por isso suas mentes são isentas dos sentimentos humanos como inveja, ódio, ciúmes etc...
Essa afirmação nos leva a pensar que somos ainda seres imperfeitos, precisamos de uma alimentação compatível com o corpo que habitamos, sofremos a degeneração pelos elementos que compartilhamos e o existir nesse planeta tem preço, esse corpo envelhece e morre.
                Aqui em nossa doutrina aprendemos sobre carma, dividas transcendentais, cobradores, e em nossa naturalidade as aceitamos sem muito questionamento, participamos de desenvolvimentos que visam despertar forças naturais que sempre existiram em nós e como usa-las em favor de nós mesmos e outros, mesmos que esses outros não existam mais em nossa dimensão, mas nos relacionamos com os mesmos como se físicos fossem, dedicamos grande parte de nossa vidas em rituais e ações para ajuda-los a encontrar sua cura, seu equilíbrio e isso está amparado por algo que conhecemos como “Fé”, que significa dar existência ,forma, personalidade a aquilo que outros não creem.
                Nessa nossa ação de curar, desobssediar podemos também concluir que o que chamamos de mal, nada mais é que reestabelecer ao estado original essas individualidades que aqui chamamos de espíritos. E empregamos energia para executar essa ação de cura.
Através de um conjunto de ações especificas, elaboradas, sequenciais utilizando puramente essas energias ao nosso dispor, conseguimos alterar as células doentes desses seres, reconduzindo a espaços dimensionais ou etéricos mais especializados para sua plena recuperação.
                Nessa pobre analogia sobre bem e mal, é possível admitir que o mal nada mais é o que o bem distorcido, alterado de sua forma original.
Dessas formas, os seres humanos cujo processo cerebral é intrinsicamente uma movimentação de milhões de neurônios em sinapse constante, sofre uma alteração na veiculação dessas energias alterando seu comportamento.
                Como seres emissores e receptores de energias trafegamos diariamente entre frequências energéticas vibratórias que determinam nosso comportamento. O Amanhecer seria então uma poderosa usina cujos átomos são manipulados, muitas inconscientemente por nós, para equilibrar todas as energias que trafegam em nosso planeta.
                Nas mediunidades contidas em nossa doutrina que são o Doutrinador e o Apará, observamos que essas frequências são diferenciadas e atuam em níveis diferenciados nos médiuns. Mesmo em mediunidades iguais observamos comportamentos diferentes.
Como a mediunidade é preponderantemente psicológica, a aceitação dos fenômenos é fator primordial não só para o desenvolvimento  e sucesso de cada uma dessas mediunidades, quanto a deficiência ou não  e aceitação das mesmas e a  relutância em não desenvolve-las pode acarretar distúrbios psicológicos, como neuroses e esquizofrenias que levam aos seres humanos a cometerem desatinos , não em função da maldade propriamente dita, mas sim de um desequilíbrio da energia ou mediunidade que eles são possuidores.
                Nessa linha de raciocínio, como seria então a conexão dos seres humanos com as individualidades que “existem” em planos ou dimensões diferentes, de que forma conseguem se comunicar e até interagir com os humanos?  Nisso temos que avaliar que muitos desses seres habitam dimensões extremamente evoluídas e também densos onde a energia a ser veiculada sofre o desequilíbrio do próprio ambiente. Ao que tudo indica foram criados instrumentos e veículos interdimensionais cuja tecnologia ainda nem sonhamos ter. A modificação da matéria organizada para a fluídica ou etérica é uma dessas tecnologias, a capacidade de percorrer distancias imensuráveis é outra, pois mundos ou dimensões a milhares de anos luz são transcorridas em segundos. Seres iluminados com um corpo físico, cuja energia precisa de ser modificada para não nos afetar, dessa forma acorrem a essa condição de transmuta-los, se conectando a nós outros através da energia mental ou psicológica. Esses seres de pura luz, usam energia citoplasmáticas que nós emanamos somente para os fenômenos de cura. Já outros cuja evolução não é de tanta luz, que utilizam padrões humanos podem curar mesmo, mesmo ainda suas mentes não estando ainda alinhadas a classe dos espíritos de luz....
                Individualidades que nutrem sentimentos humanos pesados como ódio, podem se ligar aos seres humanos que vibram na mesma condição, então a similaridade de forças é o veículo principal para transmissão e até domínio do indivíduo, numa forma simbiótica onde o homem torna se hospedeiro desses espíritos que precisam se alimentar energicamente para continuar sua caminhada. O interessante que o que guia esses espíritos é a consciência, e a mesma sofre as interferências do padrão evolutivo de cada individualidade, assim temos que forçosamente admitir que o mal é um desvio de energia...
Assunto complicado
Gilmar
Adjunto Adelano