ESPAÇO TEMPO



ESPAÇO TEMPO
            Salve Deus!
            Nosso entendimento do universo ainda é limitado. Mesmo com os recursos tecnológicos existentes conseguimos à  muito custo chegar a lua.
 Um dos maiores obstáculos para viajar no espaço é a velocidade alcançada por nossos atuais veículos interestelares, a exemplo a Voyager viaja a 56.000 km/h que já uma velocidade imensa para nossos atuais recursos.
 Para termos ideia que não é tão alta assim essa velocidade, segundo alguns esotéricos o planeta Capela dista-se da terra 45 anos luz de distancia, se levarmos em consideração que a luz caminha a 300000 km/seg, que dá aproximadamente 1079 252 848,8 km/h veremos que nossa nave Voyager está engatinhando que a essa velocidade, se  algum habitante de Capela fosse nos visitar demoraria 45 anos.
            Conhecemos nossa dimensão física, nela nascemos, crescemos e morremos. Mas isso não quer dizer que não existam outras dimensões. Assim como as energias são variadas e conhecemos já uma série delas, nosso conhecimento das dimensões vem ampliando-se.
Mesmo que teoricamente vamos tateando essas dimensões e procurando inteirar-se delas e buscando quem sabe, buscar segredos que nos auxiliarão a entender quem somos.
            Em nossa doutrina sem nos apercebermos rompemos as barreiras do espaço tempo com a mesma naturalidade que tomamos um copo de água.
Tia Neiva nos mostrou a presença de veículos interestelares que denominou de Amacês. Ela foi transportada por viajantes que nós conhecemos como Stuart (Tiãozinho), Eris e Jhonsom Plata. Do espaço viu a terra e os outros corpos celestes. Também nos informou que essas naves assumiam sua forma fluídica ou etérica para nos assistir. Contou-nos sobre a existência de vários outros mundos e planos, os quais eram assistidos por essas naves e também sobre a existência de rodoviárias espaciais.
            Os espíritos para percorrer essas dimensões usam de artifícios ainda pouco conhecidos por nós. Nossa Clarividente nos fala da migração Inter planos ou interplanetários, que as Amacês dão  assistências em nossos templos e que existem a céu aberto. Ficam estacionadas sobre esses locais  deixando os espíritos para receberem o ectoplasma e o magnético animal humano,  esses espíritos recebem uma espécie de limpeza magnética ou energética  e quando atingem uma densidade molecular mais sutil podem ser reconduzidos  aos veículos interestelares ou Amacês, ou transpõem o nêutron e no Canal vermelho vão para os hospitais espirituais para tratamento.
            Vamos tentar entender essa mecânica ou dinâmica de funcionamento de nossos processos de tratamento, traslado e intercâmbio de seres humanos e individualidades etéricas ou fluídicas.
            As individualidades de luz que nos assistem ,segundo o Primeiro Mestre jaguar Trino Arakem, habitam o terceiro ciclo ou Origens.
Neste local, sugere ele,  ser muitíssimo evoluído;  seus habitantes tem uma aparência cronologia dos terráqueos no máximo de quarenta anos. São seres com constituição morfológica muito evoluída. Amam incondicionalmente e quando necessário que saiam em socorro de seus tutelados, no caso, nós outros , seres humanos, assumem a forma que conhecemos de nossos mentores para nos assistirem. Para isso utilizam seus veículos espaciais que tem forma e estrutura molecular física. Não podem aqui na Terra chegar nessa forma. Para isso passam por um espécie de portal de alteração de sua estrutura na Lua (comandado por Stuart, ou Tiãozinho), quando assumem a forma fluídica ou etérica aproximam se de nossos templos fazendo esse intercâmbio no traslado de individualidades desencarnadas.
            Segundo Einstein, se tivéssemos condições de viajar a velocidade da luz, a cada ano percorrido no espaço, se passariam vários anos terrestres! Portanto, temos que concluir que nossos mentores usam processos mais precisos e rápido que quebram o que chamamos de “dobra do tempo”, pois com certeza viajam todos os dias nos numerosos templos do Amanhecer fazendo essa migração de espíritos.
            Nessa relação de tempo e espaço temos que conjecturar sobre a possibilidade da fusão das várias dimensões e ou planos existentes.  Dessa forma, o que chamam de “buraco de minhoca” que é uma espécie de atalho inter plano ou atalho dimensional que propicie e favoreça esse atendimento espiritual.
            Nossos recursos técnicos é a mediunidade. Através do ectoplasma, que é nosso combustível, utilizamos técnicas mediúnicas, que são como chaves para abrir e movimentar toda essa mecânica espiritual. Os templos do amanhecer são locais que rompem a barreira de tempo espaço, na verdade são atemporais, onde a individualidade transita entre passado, presente e futuro com muita facilidade.
            A mediunidade é fator ou motor de toda essa mecânica que nós participamos quase que inconscientemente. Somos preparados através de técnicas especificas, nossa estrutura corpórea , embora sendo física, é um processo acumulado de átomos codificados que principalmente pela ação dos nervos em locais específicos que conhecemos como chacras , transportam e modificam a energia condicionando uma condição de recepção e emissão de energias que nós conhecemos como força mediúnica.
Nossos Mentores e Guias são parceiros nessa movimentação, Tia Neiva nos fala do Canal Vermelho que na verdade é uma dimensão não muita longe de nosso planeta. Na verdade é um mundo etérico, cuja finalidade é a acomodação ou preparação dos espíritos que ficam numa espécie de quarentena para depois seguirem até as rodoviárias interdimensionais e encontrarem seu ponto ou origem para continuarem seu caminho evolutivo.
Nessa relação de espaço tempo, nós como seres encarnados, ou ainda melhor presos a uma forma física, sentimos a ação dessa forma de medição conhecida como tempo, assim como a ideia de embaixo, em cima existe para nós que habitamos o planeta Terra. Uma entidade é capaz de sair de seu mundo de origem, viajando a velocidade que nem podemos mensurar, ou de lá projetar-se numa fração de segundos. Para isso utilizam de seus portais interdimensionais, ou janelas espaciais e o quem chamamos comumente em nossa doutrina de portais de desintegração.
Também são utilizados nesse processo os recursos que favorecem ou auxiliam essa situação os incensos, as velas, e também os Mantras que tornam o neutrom mais permeável facilitando portanto, a troca dessa informações. A Pira, as elipses são elementos técnicos na captação e emissão dessas energias.
Nossa maior fonte de energia é a Corrente Mestra que parte de uma estação ou dimensão que Tia Neiva disse nos chamar Tapir, um conjunto de Torres situado no espaço, chega até a Pira e é distribuídas tanto nos plexos do médiuns ao fazer sua preparação, lembremos que o nome preparação sugere se colocar na condição de estar energizado, preparado, condicionado com as energias ali emanadas por individualidades que vibram na mesma faixa de energia. Tanto que ao terminar o trabalho mediúnico do dia, o médium encerra seu trabalho, ou se desconecta da força recebida ou utilizada para sua tarefa mediúnica.
            Precisamos ainda conhecer mais, para respeitarmos e melhor aproveitar tudo o quanto nos é oferecido, assim quem sabe respeitaríamos mais esse povo celestial que nos assiste.
            É este pouco que ainda temos condições de falar
            Gilmar
            Adelano.