PEQUENA RETROSPECTIVA DA DOUTRINA


PEQUENA RESTROSPECTIVA DE NOSSA DOUTRINA

                Salve Deus!

            Ao chegar ao vale em 1984 a visão que nos foi passada da doutrina, mesclava entre o fantástico e a porta da salvação na qual poderíamos encontrar respostas para todas as questões que ansiávamos como seres em buscas de respostas as quais outra doutrina e religiões ainda não tinham oferecido.          
            A presença da Clarividente entre nós dava uma segurança pois sabíamos que ela com seus olhos que ultrapassavam a barreira de todas as possibilidades humanas estava a zelar pela condução da doutrina portanto, não havia como errar.
Mesmo em sua doença ela estava vigilante em seu “sétimo”, e de lá com um sistema de som integrado ao templo Mãe, vez por outra, ela dava alguma orientação ao corpo mediúnico. Vez por outra, ouvíamos falar de um ritual novo que iria surgir e logo fomos agraciados com o trabalho de Alabá e Abatá e assim com o ritual da Estrela de Neru o ciclo da Clarividente se fechou.
            Como na época de Noé quando ele alertava sobre o dilúvio e as pessoas continuavam a dançar e festejar, no Vale, todos sabiam da fragilidade da doença de Tia Neiva e de certa forma, tinham dentro de si uma certeza que iria voltar ao seu mundo, como ela mesma afirmou aos dois primeiros filhos de Devas Alufã e Adejã em uma última classificação de médiuns por volta das quatro horas da manhã quando ela afirmou que iria embora.
Também mesma reação teve o então recém classificado coordenador dos Templos do Amanhecer Gilberto Zelaya, Trino Ajarã quando procurado por Ajanãs para um encontro com Tia Neiva quando ele afirmou:
            “Gostaria de leva-los até ela mas, não sei quem iremos encontrar: se Tia Neiva, Koatay 108, Minha mãe ,pois sua oxigenação cerebral está tão deficiente que ela não se segura mais no corpo.
            Então em um 15 de novembro do ano de 1985, Tia Neiva deixou seu corpo físico que não mais lhe dava sustentação e partiu para sua casa como ela mesmo afirmou.
            A ideia original seria que os Doutrinadores assumiriam seu lugar no sentido geral da condução e preservação da Doutrina, dessa forma, os quatros Trinos Presidentes Triadas assumiram a doutrina. Sem muito entendimento entre eles, realmente ela foi conduzida com todas as dificuldades dessa falta de entendimento. Os Adjunto maiores não conseguiram conquistar e manter seu lugar de raiz e formação do continente e então começaram a surgir as questões para que os dirigentes encontrassem solução:
            A primeira dela foi o desencarne do Adjunto Yucatã.
            Depois ficamos sem nosso evangelizador Trino Tumuchy.
            O primeiro Mestre jaguar por problemas particulares resolveu ficar dois anos ausentes da direção executiva da Doutrina. Foi um período extremamente difícil, pois um Trino que foi preparado para sua ação de cura resolve assumir como executivo e distribui a manutenção da doutrina com os Adjuntos maiores. Nessa época as coisas foram ficando cada vez mais complicadas. Por outro lado o Trino Ajarã prosseguia na sua missão  de levar a doutrina aos templos do Amanhecer. A prerrogativa de executar qualquer consagração na doutrina concedida por Koatay 108, não deixou que a doutrina parasse e os Templos do Amanhecer começou a ganhar sua emancipação. Primeiramente com a entrega de nomes de Cavaleiros,Guias e missionárias e Ministros aos mestres, Estrelas sublimação e Turiganos e pôr fim a Estrela candente.
            No Templo mãe em um trabalho oficial a noitinha o Trino Araken entra no Templo e é aplaudido de pé. Por mais incrível que pareça, a energia do templo mudava quando ele entrava no templo. Por algum tempo uma segurança aparente chegou entre nós. Juntos Arakem e Ajarã conseguiram manter a unidade da doutrina.
            Nessa época cogitou se aparecer milagrosamente um médium salvador da doutrina, falava-se muito na presença de Jhonson Plata, no que até o momento ainda não surgiu entre nós.
            Nos meados do ano 2002 o Trino Arakem desencarnou... Novamente o Trino Curador a dura pena assume a direção da doutrina... Mais dificuldades ... A situação ficou insustentável ao ponto do Trino Ajarã após uma assembleia realizada por seu irmão , Ajarã cria a CGTA uma entidade jurídica para dar sustentação aos templos do Amanhecer.
            Hoje vivemos uma situação  em que cada vez que tomamos essa configuração de divisão interna de homens, digo homens porque quando observamos os rituais deixados pela Clarividente não vemos uma mudança estrutural[G1]   na doutrina e assistimos nascer a figura do Adjunto Presidente a direcionar seu templo e de acordo com sua consciência seguir o caminho que ela direcionar.
            Mesmo com a presença de dois Trinos Presidentes Triadas encarnados, assistimos grande valores deixados por Tia Neiva ( e ai cabe uma ressalva quanto a visão de Tia Neiva a classificar esses homens), como o Primeiro Filho de Devas, o Adjunto janatã, Representante do Primeiro cavaleiro da Lança vermelha não estarem juntos com os Adjuntos maiores que ainda estão encarnados e também o Trino Sumanã e Ajarã no berço da doutrina no Templo Mãe.
            O trino Ajarã Mestre Gilberto Zelaya com sua saúde abalada ainda percorre os templos do Amanhecer levando a doutrina que se comprometeu com sua mãe a conduzir...O Trino Sumanã , não encontrando apoio no templo Mãe ,também faz sua carreira solo.
            E nós, cada um com sua consciência doutrinária, cabe nos silenciar e se possível, não engrossar essas fileiras dessa aparente divisão de homens. E não é fácil para nós que  não temos  felizmente ou não o poder de decisão na doutrina nos conduzirmos pois todos nós, diante de desse juiz implacável que essa consciência crística, sabe no fundo o caminho a seguir pois Tia Neiva é bastante clara quanto a  hierarquia e a força decrescente...
            Que o Cristo nos direcione dentro dessa forma com amor suficiente pra sermos o portador dessa verdade inquestionável de paz e amor, tolerância e realmente com muita humildade de tratamento.

Gilmar
Adjunto Adelano



 [G1]