ASPECTOS TÉCNICOS DA DOUTRINA DO AMANHECER


Aspectos mântricos da Doutrina do Amanhecer

Existem formas diversas de vermos nosso sistema doutrinário, uma técnica, levando em consideração o aspecto mediúnico-doutrinário, e outra, o caráter religioso.
Cada uma tem suas peculiaridades e se encaixam perfeitamente,condicionando o homem a sua evolução tanto a nível de individuo quanto no caráter cósmico,em suma no processo evolutivo espiritual.
                A religião é a necessidade que tem o homem de se ligar ao mundo dos espíritos ou melhor, da divindade. Esta ligação dá ao homem a ideia de poder ascensionar este mundo onde estão os espíritos superiores. E partindo da idéia do pós-morte, todo esse sistema o condiciona a relacionar e adquirir esse direito desta eternidade e nela encontrar sua família espiritual.
                A técnica mediúnica é um conjunto de ritos nos quais toda uma simetria de ações, as quais chamamos de passos mântricos, cujo objetivo é a movimentação das forças contidas no homem e na natureza.
                Tia Neiva denominou todo esse conjunto de forças da Cabala de Nosso senhor Jesus Cristo.
Nossa doutrina tem elementos próprios para essa movimentação de forças, há todo um conjunto arquitetônico, de uniformes, ou indumentárias, preces e cânticos mântricos os quais são utilizados pelos médiuns visando a desobsessão de espíritos encarnados e desencarnados.
                No início de sua caminhada quando era ainda Irmã Neiva na então UESB,Serra do Ouro,entre Alexânia e Brasília,predominava os trabalhos evangélicos,era a formação dos pilares da Doutrina do Amanhecer. O que tornou possível essa mudança do sistema evangélico para o iniciático, foi a clarividência de Tia Neiva
Durante um período de cinco anos ela fez um curso com um monge Tibetano chamado Umahã. Foi revelado a ela segredos do Lamaismo que nunca fora revelado a ninguém de fora dos Mosteiros.
                Com a mudança para Planaltina  a alavanca principal para que essas forças iniciáticas fossem implantadas foi realizada a iniciação Dharman-oxinto, que na verdade é um grande ritual mântrico. A iniciação como já acontecera várias vezes nas pirâmides egípcias é um ritual o qual o médium tem o aval, ou apadrinhamento de seu mentor.
Uma iniciação segundo Tia Neiva, é realizado no espírito e tem uma duração de 10.000 anos. 
A Doutrina do Amanhecer em sua projeção, como elemento de desobsessão foi criada para que pudesse ser feita num sentido mais amplo, assim como os espíritos que fossem retirados do plano físico, pudessem ser encaminhados as casas transitórias e hospitais espirituais continuando assim sua cura espiritual. Outro fato que diferencia nossa doutrina é a presença do Doutrinador.
O Doutrinador é um médium também de características diferentes. Sua mediunidade lhe faculta trabalhar mediunicamente de olhos abertos. Paralelo a isso, enquanto está de olhos abertos, sua condição lhe permite estar mais atento aos fatos que acontecem no âmbito espiritual, assim como sua condição lhe permite identificar com maior precisão os espíritos manifestados.
A palavra Doutrinador, é mais que a indicação da ação de doutrinar, pois no caso deste médium enquanto ele “fala”,  “doutrina” o espírito sofredor ,há uma sessão de desimpregnação  ou limpeza fluídica do corpo Peri espiritual da entidade manifestada. Após essa ação, ele é enviado aos planos espirituais, atravessando a barreira invisível do nêutron e recebido por uma entidade que o conduzirá ao seu tratamento.
Outro passo importante na implantação das forças iniciáticas foi a construção e realização do trabalho de estrela candente. Sua complexidade na movimentação de forças é altamente funcional. Usando indumentárias próprias, onde a presença de capas nos jaguares e Ninfas, cujo objetivo é proteger os médiuns da ação das forças espirituais ali manifestadas,sua força cabalística é de tal grandeza que Tia Neiva assemelhou sua força a de várias bombas atômicas. Fica, porém esclarecido que esta força a nível de comparação significa a ação atômica desta energia da estrela candente.Tia Neiva disse uma frase interessante. “Deus não para uma guerra, mas a cabala sim”. A partir do funcionamento da estrela, as incorporações tornaram-se menos pesadas, pois a força da estrela como um grande portal permitiria a passagem de espíritos que não teria condições de incorporar em nenhum médium então eles passariam na estrela través de sua força cabalística. Logo depois da formação do mestrado a tônica mediúnica foi sendo mais sutil e assim vieram os outros trabalhos mediúnicos e também a formação do Adjunto.
                Numa análise mais pormenorizada vamos rever algumas ações que fazemos em nosso dia a dia, enquanto médiuns, que não percebemos.
                Defumação: A ação de defumar é algo muito simples e muito eficaz. Ao espalhar a fumaça sobre o ambiente, a uma permeabilização do nêutron, formando um portal interdimensional favorável a passagem das correntes espirituais de um plano para outro. Portanto defumar um ambiente é colocá-lo em condições adequadas para que as forças espirituais possam movimentar com mais facilidade. Não é a quantidade de fumaça que permite uma melhor passagem destas correntes, mas sim, o conjunto de ações que são, a corrente mestra e os médiuns ali presentes, portanto a mediunização e conscientização doutrinária são elementos importantes para que essa ação possa ser efetiva.               
Mantras: Todo o canto puxa um mantran,dizia Tia Neiva. Ao emitir um mantra os médiuns colocam em ação a força ectoplasmática aliada as energias emanadas dos planos espirituais formando cristais puros de energias, cujo objetivo é a emanação do ambiente ,tornando-o mais propício a circulação das forças necessárias para a realização dos trabalhos naquele dia no ambiente a ser emanado.
Velas. A chama queima o oxigênio, fazendo uma abertura no nêutron, por onde a circulação de forças espirituais se realizam com mais facilidade.
                Em nossa doutrina toda a ação técnica mediúnica tem uma finalidade cabalística, essa ação também pode ser chamada de Sistema Cristico operacional. Pois na verdade é a junção das duas forças existentes em nossa doutrina. a cabala e a força evangélica.
O Mestre Gilberto Zelaya em uma de suas conversas fez uma afirmação bastante interessante: “ Todos os templos ao meu ver é um templo com força iniciática”, pela razão de que quem o conduz é um mestre com todas as iniciações. Os trabalhos naquele templo podem ser evangélicos, mas a sua força é iniciática.
                Outra grande preocupação que se tem hoje na doutrina é a mecanização do médium.Nos faz lembrar um trecho da carta do Adjunto de Tia Neiva. “Sem ter a pretensão de lhe transformar num monge ou em um robô místico, vou lhe descrever as pequenas atitudes de um ativo adjunto”. Então, Tia Neiva já tinha essa preocupação com a mecanização dos médiuns. Pai João de Enoque, quando foi se escrito o livro de Leis e Chaves ritualísticas, manifestou se ao contrário, pois deseja ele que a mediunidade seria o carro chefe na condução dos trabalhos e da doutrina. Mas logo depois se viu a necessidade de tê-lo, pois seria mais seguro uma metodização dos rituais de nossa doutrina.
                A ação espiritual ,ou manifestação doutrinária,não é um conta que sempre será exata, pois o mundo espiritual embora seja simétrico ,obedece as movimentações do plano físico,ou melhor, do homem, e o mesmo por ser inconstante e pela sua imprevisibilidade e até sua condição psicológica, o momento é que determina a funcionalidade do trabalho mediúnico. Para a espiritualidade, o ideal seria que o médium enquanto estivesse no trabalho agisse intuitivamente, ou seja mediunicamente, percebesse realmente o ambiente e ali seguisse as orientações intuitiva de seus mentores e guias. Os mantrans são elementos importantes para que a funcionalidade de nossa doutrina seja satisfatória, mas devem ser usados sempre na racionalidade doutrinária, pois nosso ambiente místico é sujeito as interferências de sofredores e podem levar nossos médiuns a um desequilíbrio doutrinário.
                Resumindo, nosso grande desafio hoje é ambientar nossa doutrina aos padrões comportamentais de nossos jovens, herdeiros dessa doutrina, sem perder sua essência ou mudar sua trajetória deixada pela Clarividente. Essa afirmação merece um comentário muito interessante. Sendo Tia Neiva uma clarividente, a seriedade e o propósito de nossa doutrina, se houvesse algum desvio comportamental de nossos dirigentes no sentido da alteração da linha mestre de execução da mesma, com certeza ela teria deixado algum alerta no sentido preventivo desta ação.