RELACIONAMENTOS EM NOSSA DOUTRINA



RELACIONAMENTOS EM NOSSA DOUTRINA


Salve Deus

            Fugindo um pouco dessa nossa linha doutrinária, um assunto que vem muito me chamando a atenção e muito importante em nosso dia a dia é o fato do sentir, de nossas emoções, na verdade, é o pilar que sustenta nossa existência.
            Não importa o credo, posição social, status, esse sentir é o mola que alavanca o homem em sua caminhada.

Administrar nossos sentimentos e conduzi-los aos caminhos que gostaríamos não é tarefa fácil. Quando consideramos as implicações cármicas e transcendentais enfrentamos os caminhos e descaminhos da busca do sentir,e mais precisamente desse “amar”.
            É certo e evidente que pela formação biológica o ser humano foi concebido para unir-se ao outro e nisso dar prosseguimento a perpetuação da espécie humana, alicerçado por sua capacidade distinta dos outros seres que ocupam esse terceiro plano, fomos dotados da forma de sentir, de amar, de se apegar ao outro e nisso elementos conhecido por todos nós chamado paixão apimentam os relacionamentos.
            Em nossa doutrina, depois de mais três décadas convivendo com os Jaguares, podemos observar que os problemas de ordem emocional interferem diretamente na função mediúnica ou na missão de nossos médiuns.
           
            As desordens espirituais de nosso povo são em sua grande maioria sanadas após entrarem na doutrina. Parte-se do pré-suposto que o desenvolvimento tem por função qualificar e equilibrar o homem em sua caminhada na doutrina. Portanto, após nossos médiuns atingirem a condição de centuriões, entende-se que já tem uma condição psicológica e espiritual que lhe dê suporte para conviver e administrar as situações de cunho espiritual. Porém, nota-se que em nosso meio, o descontrole existencial originados pelos desarranjos conjugais e emocionais tem interferido de forma acentuada na conduta mediúnica de nossos Mestres e Ninfas, mais complicado ainda que essas situações tem sido transferidas para a doutrina e tido como distúrbios espirituais.
            Sabemos que nem sempre é possível ter ao nosso lado quem gostaríamos, assim como,ter respostas que satisfaçam tais situações, nessa mesma linha tem se analisado e colocado nas heranças transcendentais a responsabilidade desses arranjos.

Essa situação tem provocado grandes desmandos entre nossos casais que levados por informações vindas das Entidades (diga se Entidades está incluso as grandes interferências nessas comunicações) onde se frisa os laços de vidas passadas e, dessa forma considerando tais informações muitos casais tem ido a separação de corpos baseados em tais relatos dessas comunicações.
            Os ensinamentos que recebemos nos diz que a tolerância  nos dá a sustentação para compreendermos os impactos causados pelo desgastes natural da convivência e rotina existentes entre os casais.
 Outro fato importante a ser considerado é o respeito à pessoa, ao homem, ao médium e que muitas vezes a falsa condição de superioridade em nosso meio seja ela, de instrutores, comandantes, e mesmo de Adjuntos Presidentes geram uma admiração por parte de novos médiuns e nisso, não compreendido leva ao apego e esse aos relacionamentos que muitas vezes causam grandes desarranjos emocionais em nosso meio.
            É preciso muito equilíbrio emocional e psicológico para poder conviver com tais questões em nosso meio, lembramos que Tia Neiva fazia questão de afirmar que um dos maiores crimes em nosso meio seria matar as ilusões das pessoas e, isso se faz enganando e manipulando os sentimentos de nossos irmãos.

            Gilmar
Adjunto Adelano.