DEFINIÇÃO DE MEDIUNIDADE




VERIFICAÇÃO DE MEDIUNIDADE
            Salve Deus!

            A mediunidade é o instrumento que utilizamos para nos conectar com as dimensões ou mundo espirituais. Definir mediunidade é algo muito complicado e requer uma sensibilidade muito grande, de qualquer forma, essa função, assim como tantas em nossa doutrina é importante que o médium venha dotado dessa sensível faculdade.

Arriscar-se nesta empreitada pode trazer danos para aqueles que estão ingressando na doutrina, uma mediunidade mal definida pode causar danos psicológicos e até espirituais para aquele que pretende pertencer a nossa doutrina.
            Em nossa doutrina há somente duas mediunidades, que é o Apará e Doutrinador, muito embora as manifestações físicas no individuo sejam diferentes, quando já desenvolvido, quando investigado pela primeira vez, esses sinais podem ser sutis e confundir tanto aquele que faz a verificação mediúnica, quanto aquele que está por ela passando.
            Precisamos levar em conta o estado psicológico do aspirante a médium,seu estado emocional, sua vida e os problemas que por ventura podem aquele individuo estar passando. Muito embora sabemos que são encaminhado a doutrina justamente aqueles que necessitam( Pode o são precisar de médico?) Já dizia Jesus a dois mil anos, mas mesmo assim, no dia da verificação esses sinais de ansiedade podem confundir os sinais apresentado pelo futuro médium.

A palestra dominical é elemento apaziguador, que traz eflúvios curadores e atenuadores da ansiedade para o futuro médium. Nesse instante, seus Guias e mentores, provocam uma espécie de bem estar para que ele possa seguir adiante em sua verificação  mediúnica.

Certa feita ouvi Tia Neiva dizer que era cega e surda para mediunidades e para definir falanges missionárias. Assim como nossos Pretos Velhos não definem e nem sugestionam ninguém quanto a mediunidade.

            Assim que termina a palestra é realizada a preparação em conjunto, dessa forma o médium recebe o influxo das correntes de energia em seu plexo, que embora ainda não estejam funcionantes ou abertos a nível iniciaticos, recebem essas formas e as assimilam segundo sua condição de absorção de forças.

O instrutor o levará para mesa evangélica, ou algum lugar  especifico determinado pelo Adjunto  Presidente , fará a abertura ou uma prece e então começará a verificação da mediunidade.
            Uma dos médiuns mais eficientes que houve em nossa doutrina para definição de mediunidade foi o Adjunto Yuricy Mestre Edelves, autorizada por Tia Neiva, e sendo sua regente, sentia  nos pulsos e nas mãos dos futuros médiuns uma forma de energia e era um importante complemento para essa definição de mediunidade.
            Hoje conta se com as reações do médium para auxiliar o instrutor a definir a mediunidade.
Não nos cabe aqui citar ou relatar esses sinais ou sintomas, porque deve prevalecer no instrutor sua sensibilidade mediúnica, sua capacidade de ligação com os mundos espirituais, sua entrega, sua conduta doutrinária, são elementos de relevada importância para essa definição de mediunidade.
            Em caso de um dúvida, sugerem os mais experientes, que é melhor deixar o médium como um Doutrinador, pois se por ventura não essa sua mediunidade, com certeza , após passar por alguns estágios , a mediunidade de Apará deverá aflorar.

            A mediunidade seja de Apará ou Doutrinador é um compromisso que cada individuo assumiu nos planos espirituais quando resolveu , ou escolheu, encarnar. É uma ferramenta especial que ele usará para poder vencer as dificuldades escolhidas também no sono cultural. Seja qualquer uma dessas mediunidades , o importante é a segurança que o instrutor deve passar ao médium aspirante.

            Gilmar
Adjunto Adelano
Julho-2013