CRUZAMENTO DE CORRENTE II


CRUZAMENTO DE CORRENTE II

            Salve Deus!
           
            Se tem um assunto que deixa nossos médiuns ainda um pouco confuso é o cruzamento de correntes.
Depois de ter postado pela primeira vez esse assunto fui falar com nosso Trino Ajarã e em uma conversa informal sem um cunho oficial, ficou bastante claro que sua opinião é bastante radical quanto ao assunto. Ficou bem claro que , segundo ele, o médium não deve participar de nenhum cerimonial religioso, mesmo que se denomine  “socialmente”. Assistir missa, ser padrinho de casamento, batizado, e fazer preces ou movimentos religiosos e ou doutrinários que não sejam os nossos. Esse mesmo pensamento era compartilhado pelo Trino Araken, nosso Primeiro Mestre Jaguar!
            Já o Primeiro Mestre Tumuchy, quando estava encarnado, tinha uma opinião amis aberta sobre o assunto.
            Vamos nos atrever a entender a mecânica dessa situação, mas pelo lado inverso da mesma moeda, ou seja, alguém que pertence a outra doutrina e vem nos visitar.
Foi nos ensinado que o templo é um grande depósito de energia espiritual circulante, ela veicula em todo o templo, mesmo quando começamos a nos desenvolver , temos que abrir o plexo  em deferência e para receber e captar a energia em nossos chacras., por essa razão temos que afirmar que quando uma pessoa entra em nossos templos ela participa da energia , da corrente mediúnica ali veiculante. Energia espiritual não é uma exclusividade de posse nossa. Força e energia não pertence a grupos doutrinários ou religiosos, nem tão pouco a espíritos ou anjos e santos. Ela é universal! Todos nós, encarnados e desencarnados temos , as vezes, a permissão de manipular essa força, mas não temos a posse dela, e ela está em todos os lugares e principalmente nos templos religiosos, nas doutrinas e nos locais em que funcionam atividades esotéricas.
Cada um desses lugares há uma tônica quântica energética diferente, pertence a famílias que manipulam essas correntes dentro de heranças espirituais próprias, assim como somos a Corrente indiana do Espaço e Correntes Brancas do oriente Maior, as outras também tem as suas e são governadas por suas  famílias e clãs próprios, por isso, Tia Neiva quando solicitou que não cruzássemos correntes, nos afirmou que temos condição, segurança, ou força para manipular, atender, captar, emitir duas correntes mediúnicas ao mesmo tempo. Mesmos os espíritos de luz, para trabalhar em correntes mediúnicas diferentes atendem as condições técnicas de cada uma segundo sua tônica espiritual e energética. Temos que passar na recomendação eu é passada ao nossos médiuns que quando não mais desejam servir a nossa doutrina “que entregue as forças a ele confiada”, na verdade, é para que ele possa estar livre, para receber e manipular outras energias em seu plexos.
Não é uma questão de fidelidade doutrinária que nossos mentores vão se sentir ofendidos, pois outra coisa bastante clara e que precisa ser compreendida”
            “Espíritos de luz não se ofende, não pune, não tem ciúmes de seus tutelados, eles nos amam incondicionalmente”. Esses sentimentos são fundamentalmente humanos, qualquer ação originada por espíritos que que utilizam ações humanas, ou métodos humanos, para a cura, ou atendimento, podem não ser espíritos sofredores, mas com certeza, não são espíritos iluminados, de luz, que ainda não alcançaram sua completa evolução.
            Terminando, é necessário acima de qualquer coisa nos colocarmos mais na condição de missionários que trabalham uma força iniciática, cheia de detalhes , respeitando suas leis  e regras de funcionamento, para que possamos ,nos curar e também aqueles que nos procuram.
            Gilmar
            Adjunto Adelano!
            Maio 2013