PAULO DE PAULA PESSOA



PAULO DE PAULA PESSOA
                Salve Deus!
           
            Como um imenso albergue nossa doutrina está sempre a abrigar aqueles que de certa forma precisa de respostas ou uma forma nova de vivenciar esse mundo fantástico do mediunismo. Quando Tia Neiva estava encarnada essa situação era ainda mais intensa e, dava condições de ver a presença deste mundo sutil na vida das pessoas, cura, recuperação social, reencontros e o mais importante que é a volta do jaguar ao seu lar espiritual.
            De aspecto bastante magro, olhos claros de caraterísticas nordestina conheci Paulo de Paula Pessoa. Um homem de fala direta, sem meias palavras. Nos dias que estava no templo a exercer sua condição de médium, era o primeiro da fila, o trono que ocupava era sempre o mesmo. Doutrinador decidido que as vezes beirava a ser rude em suas ações, mas gostava muito dos rituais os quais classificava ”lei do auxílio”, dizia ele que trabalhos que fugiam a essa condição era liturgia doutrinaria. Também costumava afirmar que seu mentor ou guia era José de Arimatéia. Utilizava muito esse termo, pois dizia ser seminarista e que estava perto de se tornar padre da igreja católica mas, um câncer nos rins fez Tia Neiva alertar a Mestre Tumuchy que era seu amigo ir busca-lo e colocá-lo na doutrina.
Quando chegou mesmo na cadeira de rodas, foi direto inserido no trabalho diário da doutrina, no que resultou sua cura.
            O conheci nos anos 80. Com grande dificuldade aceitou a transição da doutrina quando todos ainda vestiam somente o branquinho, ao passar para fase do mestrado e consecutivamente a roupa marrom, foi difícil para ele aceitar tal condição. Disse que nunca havia assumido um trabalho de prisão, pois dizia ele que se Jesus morreu na cruz para nos libertar, a doutrina não poderia entrar proceder essa prisão.
            Paulo de Paula Pessoa era muito inteligente, intelectual nato, conhecia bastante história geral, misticismo, vivia de forma humilde, na verdade foi ele que me contou uma parte da história de Pai Seta Branca. Gostava muito de dar bônus, e esse era bem diferente pois, fazia primeiramente um triângulo, depois uma reta e no final o número 1987. Perguntei a ele porque ela dava aquele bônus daquela forma ele respondeu.
            -Tia Neiva disse que eu iria viver 87 anos.
            Em dia de trabalho oficial lá estava Paulo Pessoa no início da fila da preparação, ficava sempre encostado na elipse da fila dos jaguares. De repente começou a passar mal, depois de falar alguns palavrões, foi levado para o hospital de Planaltina onde desencarnou. O mais interessante : o ano era 1987, e ainda estava longe de Paulo Pessoa completar 87 anos.
            Mais uma das previsões enigmáticas de Tia Neiva.
            Gilmar
            Adjunto Adelano
            Março 2013