OS CAMINHOS DA DOUTRINA



OS CAMINHOS DA DOUTRINA
            Salve Deus!
            Como seres humanos, nossa necessidade de buscar estar perto da divindade é tão antiga, quanto nossa existência. Estudo tem provado que mesmo civilizações que nunca tiveram contato com a civilização mantém sua identidade religiosa e de sua forma cultua seus deuses.
            Nós Jaguares vivemos uma situação um tanto quanto ímpar, pois segundo nossa Clarividente somos uma doutrina. Segundo definição é o conjunto de princípios que servem de base a um sistema filosófico, científico, religioso, etc. mas, mesmo não sendo uma religião carregamos um sentido religioso que atrelado a um conjunto de ritos, cânticos e normas que formada por pessoas que buscam definir-se através de condutas cristãs e ao mesmo tempo auxiliando a outros a equilibrarem os três reinos de sua natureza, proporcionando assim, indivíduos melhores e consecutivamente um mundo melhor.
            Não temos como costume ou hábito divulgar nossas atividades, por orientação da Clarividente, nossos Templos são erigidos em lugares mais afastados dos centros urbanos, o conjunto arquitetônico é completamente diferenciado dos demais, assim como as roupas que chamamos de indumentária também é única.
Nosso sistema gerencial ou administrativo doutrinário é mantido, também por orientação da Clarividente, através de um sistema hierárquico bastante claro muito embora, esse processo gerencial é mantido muito mais pelo processo da consciência, ou razões espirituais do que propriamente físico, pelos Trinos Presidentes Triadas que foram legitimamente classificado por ela, e até que esses ainda continuem encarnados, essa essência deverá ser mantida. Os templos do Amanhecer são unidades que estão vinculadas ao mando desses trinos e as orientações a ser seguidas foram escritas, deixadas pela Clarividente Neiva Chaves Zelaya.
            Sob o ponto de vista puramente espiritual, nossa doutrina recebe orientações de suas individualidades ou de seus Guias. O processo base doutrinário é o cristianismo espirita mesclados com várias origens que vão da raiz africana ao espiritismo de Kardec.
            A liberdade de ação é o princípio que norteia nossa doutrina, ninguém é obrigado a nada. A permanência dos médiuns nos templos é determinado por eles mesmos. Cada indivíduo sabe de suas necessidades, o quanto deve estar presente nos templos e nos rituais por eles mantidos. Muito embora seja esse o pensamento, ainda não há uma plena conscientização do que é realmente a doutrina em nosso meio. Não é raro encontrar contendas e disputas  visando buscar um posicionamento de domínio em nosso meio. Entre os homens, Jaguares, a busca por um classificação hierárquica maior tem levado a desvio de conduta que não condiz com nossa essência doutrinária. Por ser essencialmente ritualística, nossa doutrina as vezes padece de atingir um potencial maior em seu funcionamento por quebra da hierarquia que afeta a distribuição das forças espirituais o que chamamos quebra da força decrescente.
            O Trino Ajarã Mestre Gilberto Zelaya, herdeiro desse poder deixado por sua Mãe e Clarividente, tem feito uma peregrinação no sentido de conscientizar os médiuns a  se unirem na manutenção de nosso maior poder iniciático que é a Estrela Candente. O interessante é que nos foi ensinado da necessidade do Mestre em adquirir bônus espirituais através do trabalho mediúnico, mas mesmo assim, as estrelas continuam com pouco contingente de médiuns, levando nosso Trino a dizer o que é obvio e desnecessário dizer que a união dos adjunto e seu povo para manter esse trabalho.
            Não podemos cair no risco de cairmos na velha estrada e perder mais uma vez a oportunidade concedida pela espiritualidade de resgatar nossas dívidas espirituais, a batalha civil do Peloponeso continua ainda viva na consciência dos jaguares, mas não impossível de acontecer mesmo que silenciosa, de uma contenda, dessa vez doutrinária entre nós filhos de Seta Branca.
            Gilmar
            Adjunto Adelano
            Fevereiro 2013