ENTENDA UM POUCO MAIS SUA DOUTRINA

            Salve Deus!

            As vezes, tempo de doutrina oferece-nos um posicionamento curioso e interessante que é ser observador forçado das contingências criadas pela vida e que muitas vezes deixam nossos irmãos um pouco desorientados, fato esse que não muito raro tem levado a desistir do sacerdócio.
            Quando pensamos na definição de ser um missionário, de se entregar a essa missão complexa, não é tão fácil e simples quanto parece.
O primeiro fato que normalmente desencanta nossos médiuns é o comportamento de nossos dirigentes. Uma análise fria e não cuidadosa revela que seu posicionamento pessoal caminha na contramão de seus ensinamentos. Mas é necessário lembrar que a doutrina é essencialmente cármica e não tem como finalidade de formar monges, apesar desses homens terem a reponsabilidade de conduzir tantos outros, vivem a mesma condição daqueles que o julgam, pois também sofrem a ingerência de um mundo material onde as dificuldades materiais, emocionais e financeiras os atingem.
São pessoas que também tem um plexo físico e sofrem as ações causadas justamente por serem “gente”, “humanos”, e como disse certa vez o Mestre Tumuchy , “ser humano” é assim.
            Ao entrar para doutrina normalmente o missionários tem alguns caminhos bastante previsível e claro pois sua visão divina da doutrina a coloca no aspecto religioso e dessa forma as ações de seus médiuns e também a complacência dos Mentores precisam e tem que caminhar da mesma forma. O Primeiro Mestre Sol Trino Tumuchy sempre afirmava que somos uma doutrina e não uma religião.
Como doutrina somos um conjunto de normas e rituais cuja função maior é  manipulação, transformação ,transmutação de forças ou energias captadas e emitidas num processo complexo, muito técnico que independem do caráter das pessoas, e apesar  de algumas ainda agirem fora do que prega a doutrina, no trabalho mediúnico são grandes Mestres e Ninfas e o mais complicado e duro de admitir que a doutrina é essencialmente uma ação que ocorre na individualidade, mais uma razão de sermos chamados de “Mestres”, Mestres de um sacerdócio primeiramente humano, mas acima de tudo uma ação integrada entre  espíritos, individualidades altamente desenvolvidas, de dimensões variadas que atendem dentro de uma corrente mediúnica voltadas para a cura desobsessiva , a cura do espirito.
            Muitos de nossos médiuns cometem o engano de confiar demasiadamente  em seus companheiros de missão. O Fato de estar usando um uniforme não credencia ninguém a diploma de bonzinho. Somos uma Tribo, um povo, um grupo que vem a dezenove encarnações sempre convivendo em conjunto, nessa ação, pela ação do carma , estão sempre se encontrando e se reencontrando: amigos, parentes espirituais, ferrenhos inimigos , mas também pela mesma lei cármica não nos revelado quem são eles.
            O Trino Araken sempre alertou para o aspecto de atitudes não doutrinárias que visam “dividir” os médiuns, essas ações são fáceis de acontecer e normalmente veem numa forma sutil e quase sempre imperceptível, nas comunicações de interferência de espíritos sofredores e essas normalmente agem no campo emocional, onde parece que nós outros Jaguares, padecemos e muito.
            É preciso entender que essa doutrina é cármica, que as situações difíceis sempre estarão presentes em nossa vida, no que aliás, somos preparados para isso, pois o termo INICIADO, é justamente aquele que se propõe a ultrapassar as barreiras de sua própria possibilidade.
            Há muitos que esperam que os Mentores resolvam seus problemas pessoais, com certeza terão a triste decepção de esperar muito. Os problemas que temos em sua grande maioria são gerados ou criados por nós , e nossos Mentores ajudam nos a resolve-los através do processo mediúnico, mas não interferem em nossa vida, não fazem negócios por nós, não arrumam emprego, não são agenciadores emocionais, é necessário compreender e aceitar que essas individualidades tem um compromisso, o qual assumimos também da cura desobsessiva, de harmonizar as forças contidas e emanadas por espíritos sofredores  de doutriná-los, e com certeza encontraremos um dos terríveis cobradores nesse processo existencial que “somos nós”!
            É vital para a permanência do médium nessa doutrina compatibilizar, saber diferenciar , colocar em prática todos os dias essa ação. Separar o homem do médium, sua ´personalidade de sua individualidade, e lembrar que teu irmão também é um ser que igualzinho a você pode estar sofrendo das mesmas dores....

Gilmar
Adjunto Adelano
Janiro-2013