UMA REFLEXÃO SOBRE NOSSA DOUTRINA


UMA REFLEXÃO SOBRE NOSSA DOUTRINA

            Salve Deus!
            Tia Neiva sempre deixou bem claro sobre o aspecto sagrado de nossa doutrina. Cada coisa, por menor que fosse ela tratava com reverencia e respeito deixando claro que ela, com todos os poderes que lhe foi conferido, agia em perfeita sintonia com a espiritualidade. Mesmo pedindo ao Pai Seta Branca, que mantivesse sua personalidade, viveu exclusivamente para formar esse sistema doutrinário que é  hoje a Doutrina do Amanhecer.
            Aos herdeiros espirituais desse sistema ela delegou poderes espirituais e sua representatividade. Ao jovem José Luiz deu lhe a missão de formar e conduzir a estrela candente. Junto ao Ministro Janatã o Mestre José Luiz conduziu por quase três décadas o complexo doutrinário da Estrela Candente no Templo Mãe.
            Ao Mestre Efren, Trino Mourã delegou a representatividade do Primeiro cavaleiro da Lança vermelha. Alufã e Adejã a coordenação dos rituais, classificações, e coordenação de todas as falanges missionárias.
            Ao Mestre Gilberto Zelaya, entregou a condição de representa-la, conferindo lhe todos os poderes espirituais para executar qualquer consagração nessa doutrina. Assim como, a coordenação dos Templos do Amanhecer. Nessa mesma linha de pensamento o Trino Sumanã, Mestre Michel Hanna também, ficou o legado do Santo nono na representatividade dos poderes de Koatay  108.
Também sabemos que a Doutrina do Amanhecer é um conjunto de ensinamentos e  leis que dão formação a rituais e esses, dão condições ao funcionamento da mediunidade e esta por sua vez,  processa a cura desobsessiva que é o objetivo maior de nossa doutrina.
            Esse sagrado é tão especial que me furto em descrever um episódio o qual participei por volta de 1985 quando da primeira consagração de enlevo.
            Como Príncipe Maia estava fazendo parte da corte que conduzia os Adjuntos Amayã Mestre Guilherme, Alufã Mestre Barros e Yuricy Mestre Edelves.
Saímos do templo e passamos pela Casa Grande, lá estava Tia Neiva de pé onde havia um restaurante, com seus olhos negros e profundos ela silenciosamente observa a passagem daquela corte. Chegando perto da Pirâmide começou uma discussão acirrada entre Mestre Edelves , Barros e Guilherme. Voltamos ao templo e terminou aquela consagração. Estranhamente Tia Neiva convocara logo depois outra consagração de Enlevo.
Depois de muitos anos ficando sabendo que ela teria dito que aquela primeira consagração não teria sido registrada, pois teria havido um episódio desagradável entre alguns Mestres e isto invalidou aquela consagração. Outra coincidência foi que depois dessas consagrações foi que Tia Neiva consagrou os primeiros Arcanos.
            Não temos ainda plena consciência o que é ritual, classificação, ou até mesmo Doutrina do Amanhecer, esse sagrado universo de Koatay 108 e infelizmente, vemos alguns dirigentes trata-la como se a Doutrina do Amanhecer fosse uma agremiação esportiva que pode substituir seus membros, determinar representatividade, substituir valores do céu, sem se preocupar se serão espiritualmente validados ou não.
            Estamos todos nós, imersos em força e individualidades dos mais variados níveis de evolução. Mas o mais  sério que ainda continuamos a palmilhar o que ela chamou de “velha estrada”, das intrigas, do ciúme da dissenção. Esquecemos que estamos em um sacerdócio crístico sem superstições e que um Divino soberano , um franciscano que não deu-se satisfeito por formar uma ordem com o mesmo nome e voltou com a missão designada por Jesus a dar a oportunidade ao Jaguar, sim a esse homem duro porém, verdadeiro em suas ações a condição de ajudar o homem nesse terceiro milênio a libertar-se do jugo de várias encarnações marcada pela traição e o desamor, Mas ao que parece continuamos a gritar Barrabás...Ao invés de Jesus!
Gilmar
Adjunto Adelano
Outubro 2010