LIÇÕES DE PAI JOAQUIM DAS CACHOEIRAS


LIÇÕES DE PAI JOAQUIM DAS CACHOEIRAS
           
            Salve Deus!
            Quando o médium começa a dar seus primeiros passos na Doutrina do Amanhecer, ele é tomado de uma força um tanto quanto interessante, depois de descoberto sua mediunidade , sente ele uma necessidade muito forte de estar exercitando condição mediunica, esquecendo até as vezes, de suas ocupações físicas.Outra situação interessante é de sentir importante e até o profundo conhecedor da doutrina e seus segredos. Mas os fatos e a vivência provam é que isso só se adquire com o fortalecimento do plexo que somente o tempo pode trazer.
            Vamos narrar um fato ocorrido há bastante tempo com um mestre lua que após ser emplacado com Pai Joaquim das cachoeiras resolve em um dia de retiro passar como paciente nos tronos.
            O templo mãe com aquele cheirinho gostoso de incenso e o perfume madeira do oriente numa dessas quintas feiras ensolaradas, onde  após a abertura da primeira mesa da parte da tarde , deixava o seu ambiente com jeito de senzala. Os Pretos velhos com suas saudações e a água que corria na fonte de iemanjá dava ao ambiente ainda mais aquele jeito realmente de uma Casa Grande da época da escravatura.
            Nosso personagem cheio de coisas na cabeça, mil perguntas a fazer, resolve sentar nos bancos do paciente e aguardar que fosse chamado. Enquanto esperava , começou  a passar por sua cabeça quem lhe atenderia. Juntando sua pretensa experiência, começou a analisar os médiuns Aparás que ali estavam dando oportunidades aos Pretos Velhos e viu que haviam vários centuriões com seus coletes carregados de broches. Então pensou: Vou querer ser atendido por um desses, pois com certeza com tantas medalhas vai sair uma comunicação fantástica.
Olhou ao fundo e viu um  mestre lua ainda fitinha, com seu jaleco branquinho, quase que solitário no ultimo banco.... Pensou ali, não quero ser atendido.
A fila foi caminhando e de repente o Comandante chama o nosso personagem para ser atendido. E o direcionou justamente para o mestre de branquinho; o nosso personagem ficou desconfiado e meio triste:
            Ao sentar e colocar as mãos o Preto velho o saúda da seguinte forma:
            Salve Deus meu filho!
            -Estava lhe aguardando com muita alegria!
            -Salve Deus meu filho...Aqui é teu Pai Joaquim das Cachoeiras...
            Gilmar
Ad Adelano