Cultura de Pai Seta Branca


CULTURA DE PAI SETA BRANCA

Salve Deus!

Depois de estar ao lado do Adjunto Yuricy, Mestre Edelves por mais de quinze anos, tê-la acompanhada na cultura das ninfas e Ajanãs para o ritual do Oráculo  e também  do casamento e batizado resolvi ousar e vamos tentar falar sobre essa situação!

Há um áudio que Tia Neiva fala sobre a possibilidade da mistificação na incorporação de Pai Seta Branca. Então ela solicitou ao Adjunto Yuricy que assumisse o desenvolvimento de mestres e ninfas para a incorporação de Pai Seta Branca.

Esse legado deveria ter ficado com as ninfas Yuricys mas, há coisa nessa doutrina que foge de nossa compreensão. Então ela passou alguns desses ensinamentos ao Mestre Cícero e ao Mestre Ivan Zelaya.

O Trino Ajarã delegou essa condição aos Presidentes dos Templos do Amanhecer, mas observa-se que alguns estão enfrentando dificuldades  no sentido levar a frente esse desenvolvimento.

Embora alguns mestres revestidos de uma coragem até uma tanto quanto discutível tem colocado essa situação de “curso de desenvolvimento para incorporação de Pai Seta Branca”  e tem levado aos nossos Mestre Luas de boa fé de coração aberto muitos questionamentos. Mas na pobreza de nossos conhecimentos vamos tentar explorar essa situação.

A incorporação é um aspecto mediúnico muito antigo. Os relatos mais antigo falam de Rei Saul  e um episódio da Pitonisa de Endor. Também há relatos de alguns episódios em que Salomão o grande  sábio, tinha se conhecimento dessa mediunidade.

Falando mais objetivamente em nossa doutrina, muito embora é processo de incorporação , nosso médium Apará é diferente. Por receber uma força atuante sobre o plexo solar, há uma conjunção nervosa que é irrigada intensamente pela  corrente sanguínea  durante o processo , então diminui-se a irrigação cerebral e facilita que o médium entre em transe. Outra situação importante e de capital importância é que o médium Apará “trabalha”, “atua” sob juramento. Segundo palavras do Trino Ajarã é o médium mais perfeito que temos a nível de incorporação no planeta.

Também devemos  considerar os diversos níveis de consagração que esse médium passa , completando ainda mais sua capacidade receptiva mediúnica. Completando esse sistema, consideramos também a presença sempre constante do doutrinador no exercício dessa missão.
Outro dia conversando com o Mestre Guto, nosso primeiro Mestre Lua, ele afirmou que o médium de incorporação centurião está com o plexo preparado para incorporar  qualquer entidade na linha do Amanhecer. Mas o que é então o desenvolvimento ou cultura de Pai Seta Branca?

Em nenhuma das fases do desenvolvimento não se fala nessas incorporações, portanto fica realmente complicado dizer que estão pronto para incorporarem Pai Seta Branca!
Quanto mais evoluído, mais sutil é a energia emanada por um espirito, portanto o médium precisa preparar-se, harmonizar para receber as energias emanadas por Pai Seta Branca. É sabido também que o Pai Seta Branca, somente incorpora em rituais  específicos para esse fim, afirma-nos o Trino Ajarã.

Portanto a cultura que Mestre Edelves promovia era uma adequação, uma  preparação em todos os níveis para que o médium estivesse pronto para receber o Pai. Sem mencionar pequenos sinais que o Pai apresenta em sua manifestação.

Receber Pai Seta Branca é um prêmio que o médium Apará recebe. Pois seu corpo e mente deve estar limpo em todas instancia para receber a projeção da luz do Pai Seta Branca  . Mestre Edelves sugeria ao médium que durante a semana em que se fosse fazer presente no ritual que evitasse uma série de situações. Portanto essa cultura é uma adequação ao ritual e a energia emana pelo Pai Seta Branca , é um prévia do ritual, seja no oráculo, ou mesmo na própria benção.

Muito a presença de Pai Seta Branca nos rituais em que ele se faz presente é extremamente verdadeira, temos que considerar a própria energia densa que circunda o planeta. Contam que antes de Pai Seta Branca e sua corte chegar para os rituais, é necessário preparar não só ambiente em que irá se manifestar como também a própria corte espiritual que o acompanha é ionizada, isolada das pesadas correntes que emanam em nosso terceiro plano.

Nossos médiuns tem um alto nível de recepção de forças através do processo da incorporação mas, não podemos esquecer que há também o elemento humano presente nessa manifestação, o medianeiro, aquele que cede seu corpo, seu plexo para essa manifestação.

Portanto não há fórmulas mágicas ou rituais cheios de situações complicadas, da mesma forma é a incorporação do Mestre Acapu e do Mestre João Batista. Há uma frase muita antiga utilizada pelos nossos veteranos “Quando o discípulo está pronto o Mestre aparece” “E também quando há discípulo pronto o mestre irá aparecer”. Em nossa doutrina simplicidade e a honestidade de propósitos é a formula mais verdadeira e pronta para qualquer situação. Nossos Mentores não se adequam ou apoiam qualquer situação que não seja estritamente doutrinária e cheia dessa verdade que Tia Neiva deixou. Engana-se quem pensa que nossos Mentores estarão em meio a contendas e demandas...


Salve Deus!